Archive for novembro \28\UTC 2011

h1

Alma Pássaro

novembro 28, 2011

Para Alexandre

Por que não deveria a alma
Abrir as asas
Quando da Glória de Deus
Ela ouve o doce chamado:
“Por que você está distante, oh alma? Ergue-te até mim!”

Por que o peixe não nadaria rápido
Da terra seca para o oceano
Quando do oceano tão profundo
Ele ouve o som das ondas?

Por que não deveria o falcão
Voar de volta ao seu Rei
Quando do tambor do falcoeiro
Ele ouve “Retorna!”?

Por que não deveria cada homem e mulher
Começar a dançar como um dervixe
Ao redor do Sol da eternidade
Que salva da impermanência?

Que graça e que beleza!
Que presente para a vida! Que benção!
Se alguém não responde a isso,
Que tristeza, que sofrimento!

Oh, voe, voe, minha alma pássaro,
Voe à sua morada primordial!
Você escapou da prisão agora,
Suas asas estão abertas no ar

Oh abandone as águas salobras
E mergulhe na fonte da vida!

Adiante! Adiante! Nós estamos indo
E nós estamos voltando, oh alma,
Deste mundo da separação
Para o mundo da união,
Um mundo além dos mundos!

Quanto tempo ficaremos nesse deserto de areia
Como crianças construindo castelos
Perdidos nessas miragens?
Vamos tirar nossas mãos dessa areia
E voar para o mais alto dos céus,
Vamos voar para longe de nosso comportamento infantil
E nos juntar ao banquete dos adultos!

Responda, oh alma, a esse chamado
E afirme agora que você é o herdeiro do rei!
Você tem a benção da resposta.
Pois só você conhece o chamado!

(Rumi)

h1

A história de um dervixe

novembro 6, 2011

Um dervixe pobre e andarilho, que se parecia muito com um mendigo, um dia penetrou no palácio do califa, e na ausência dele, sentou-se, sem rodeios, no trono vazio.

Os guardas, adivinhando qualquer coisa incomum, e talvez até sobrenatural, não ousaram expulsa-lo. Chamaram o responsável pela guarda, que acorreu e perguntou ao homem em andrajos:

– Sabe que está ocupando o assento do glorioso califa, o Comandante dos Crentes?

– Sim, eu sei.

– E sabe quem é o califa?

– Eu sei, e estou acima dele.

O encarregado refletiu por um instante e então replicou, erguendo o tom de voz:

– Você perdeu a razão? Não sabe que acima do califa, não existe senão o profeta Maomé?

– Sim, eu sei.

– E sabe quem é o profeta?

– Eu sei,  e estou acima dele.

Os guardas pareceram escandalizados. Ergueram suas armas para abater o intruso, que parecia totalmente calmo e seguro de si.

O encarregado os interrompeu com um gesto e fez uma última pergunta:

– Não sabe que acima do Profeta não existe senão Deus?

– Sim, eu sei.

– E sabe quem é Deus?

– Eu sei, e estou acima dele.

– Acima de Deus? Você sabe o que está dizendo? Não existe nada acima de Deus!

– Eu sei – disse o homem em andrajos sem se mexer do trono. – E eu sou justamente esse nada.