Archive for maio \09\UTC 2011

h1

Nomes

maio 9, 2011

Um certo dia, um lama tibetano procurou uma indústria famosa de computadores para comprar uma máquina de última geração. Ao ser questionado sobre a razão de seu interesse, ele explicou que desde o começo dos tempos, os monges tinham se dedicado à tarefa de compilar todos os nomes verdadeiros de Deus. Eles se baseavam em um alfabeto próprio, no qual certas sequências de caracteres produziriam os nomes que realmente definiam a divindade – algo muito diferente dos nomes que os homens atribuíam a Deus. Como ainda faltavam muitas combinações, os monges queriam um computador para abreviar a tarefa.

Apesar da incredulidade, o empresário aceitou a encomenda; afinal, o cliente tem sempre razão. O computador foi enviado ao Tibete, junto com dois engenheiros para dar o suporte necessário. Segundo os cálculos, em três meses o resultado seria obtido. Ao longo dos meses, os engenheiros descobriram um detalhe a mais. Os monges acreditavam que uma vez que todos os nomes divinos tivessem sido descobertos e  corretamente compilados, o objetivo último da criação teria sido alcançado. Assim, o mundo teria cumprido seu propósito em existir e poderia acabar.

Os engenheiros, logicamente, duvidavam de que isso iria acontecer e, além disso, temiam que ao final da tarefa (uma vez que, é claro, a realidade continuaria a mesma), eles fossem culpados pelo fracasso. Por isso, eles inventaram uma desculpa e disseram que deveriam sair do Tibete antes do previsto, e marcaram sua viagem no mesmo dia em que a compilação das palavras deveria terminar.

Assim, na madrugada do dia derradeiro eles deram início à viagem para fora do país, montados em cavalos que desciam lentamente o Himalaia, e os levariam a uma pista de pouso.  Quando atravessavam as montanhas sob as luzes das estrelas, eles consultaram o relógio e comentaram que exatamente naquele momento, o computador deveria estar terminando a tarefa. No mesmo instante eles pararam e perceberam que algo estranho acontecia no céu. Uma a uma, as estrelas começavam a cair.

Fonte: Os Nove Bilhões de Nomes de Deus por Arthur C. Clarke

Anúncios