Archive for dezembro \27\UTC 2010

h1

Água do Paraíso

dezembro 27, 2010

Harith, o beduíno, e sua esposa Nafisa, indo de um lugar para outro, erguiam sua tenda onde quer que houvesse capim para seu camelo, umas poucas palmeiras, ou uma grota de água. Este tinha sido seu modo de vida por muitos anos, e Harith raramente variava sua rotina: caçar ratos do deserto para usar sua pele e fazer cordas com as fibras das palmeiras para vender aos caravançarais.

No entanto, um dia, uma nova fonte apareceu nas areias, e Harith experimentou um gole daquela água. Para ele, aquela parecia ser a própria água do Paraíso, pois ela era muito superior à água que ele usualmente bebia, apesar que para nós, ela seria insuportavelmente salobra. “Esta água,” ele disse, “deve ser levada para alguém que realmente irá aprecia-la.”

Ele então, se dirigiu à Bagdá, ao palácio de Harum al-Rashid, viajando sem descanso, parando apenas às vezes para mastigar umas poucas tâmaras. Harith levou consigo dois odres de água: um para si mesmo e outro para o califa.

Dias depois, ele chegou à Bagdá e foi direto para o palácio. Os guardas ouviram sua história e, só porque este era o costume, eles o admitiram em uma audiência pública com Harum.

“Meu Soberano,” disse Harith, “eu sou um pobre beduíno, e conheço todas as águas do deserto, embora conheça pouco das outras coisas. Eu recentemente descobri a Água do Paraíso, e percebendo que este era um presente digno, eu vim imediatamente oferecê-la a você.”

Harum, o Justo, experimentou a água e, porque ele entendia seu povo, ele disse aos guardas para levar Harith e mantê-lo trancado por algum tempo, até que sua decisão fosse tornada conhecida. Então, chamando o capitão da guarda, ele disse: “O que para nós é nada, para ele é tudo. Leve-o para fora do palácio a noite. Não o deixe ver o poderoso Rio Tigre. Conduza-o até sua tenda sem deixa-lo beber água doce. Então lhe dê mil peças de ouro e meus agradecimentos por seu serviço. Diga-lhe que ele é o guardião da Água do Paraíso e que ele deve oferecê-la a todo o viajante em meu nome, gratuitamente.”

Anúncios