Archive for outubro \30\UTC 2009

h1

Gurdjieff

outubro 30, 2009

GurdjieffGurdjieff (1866-1949) nasceu na fronteira da Armênia, em Alexandropol e é o fundador do Quarto Caminho, uma escola que visa despertar seus alunos para uma nova perspectiva de si mesmos e da realidade. Uma das frases mais famosas atribuídas a ele e que sintetiza suas ideias é: “O homem vive sua vida no sono, e no sono ele morre.” Talvez a herança mais importante da Escola de Gurdjieff tenha sido o fato que, essa ideia básica de que o homem está adormecido acabou por ser incorporada nas massas e passou a ser praticamente de domínio público. É importante frisar que essa idéia em si não é nova, mas, ela parece ter sido incorporada depois do trabalho de Gurdjieff e seus discípulos.

O corpo de conhecimento de Gurdjieff consiste em uma das tentativas mais importantes, que surgiu ao longo da humanidade, de promover um crescimento genuíno do ser humano. Por ser extremamente direto e prático, ele oferece pouco espaço seja para condescendência com o estado de adormecimento ou ilusões e fantasias acerca de um falso crescimento, abordando sempre de forma objetiva, mesmo os temas mais polêmicos. 

Por exemplo, ele costumava dizer que o homem deve em primeiro lugar, deixar de ser uma ‘máquina’, que reage a tudo de forma condicionada e mecânica antes de arvorar-se como sendo capaz de compreender e viver o que significa uma verdadeira espiritualidade. “[…] a religião é fazer. Um homem não pensa ou não sente apenas sua religião, ele a vive tanto quanto ele pode; de outro modo, não se trata de religião, mas fantasia ou filosofia. Agrade-lhe ou não, ele mostra sua atitude para com a religião por seus atos, e pode mostrá-la só por seus atos.” (ver o texto todo)

Anúncios
h1

Geografia

outubro 9, 2009

Um buscador da verdade, que havia nascido em Londres, vendeu tudo que possuía e vagabundeou para o Oriente, onde gastou todo o seu tempo procurando por um mestre aceitável, convencido que era aquilo que deveria fazer. Após oito anos desta vida, chegou até às portas do Professor da Era e pediu-lhe orientação. “Certamente”, disse o sábio, e escreveu um nome e um endereço num papel. O inglês ficou muito impressionado e agradecido, e por um momento mal pode acreditar que sua procura havia terminado. Então ele olhou para o papel e exclamou: “Mas este endereço é de alguém que mora em Londres! E sua casa não fica a mais de cinco minutos da casa onde eu morava!” “Exatamente”, disse o professor, “e isto não é tudo. Se você tivesse ficado em casa e feito perguntas razoáveis ao invés de gestos espetaculares, você o teria encontrado a muitos anos atrás”.
Tradição oral

Naquele Império, a Arte da Cartografia atingiu uma tal perfeição que o mapa duma só província ocupava toda uma cidade, e o mapa do Império, toda uma província. Com o tempo, esses mapas desmedidos não mais satisfaziam e os Colégios de Cartógrafos levantaram um mapa do Império que tinha o tamanho do Império e coincidia ponto por ponto com ele. Apegadas ao estudo da Cartografia, as gerações seguintes entenderam que esse extenso mapa era inútil e não sem impiedade o entregaram às inclemências do sol e dos invernos. Nos desertos do oeste subsistem despedaçadas ruínas do mapa, habitadas por animais e por mendigos. Em todo o país não resta outra relíquia das disciplinas geográficas.
Jorge Luis Borges

Se eu posso atingir o coração de Dublin
Posso atingir o coração de todas as cidades do mundo.
No particular está contido o universal.
James Joyce

yggdrasil_l

h1

Banksy

outubro 1, 2009