Archive for agosto \21\UTC 2009

h1

Quando o amor acenar …

agosto 21, 2009

Quando o amor acenar, siga-o,
Embora seus caminhos sejam duros e íngremes.
E quando suas asas o envolverem, renda-se,
Embora a espada oculta sob elas possa feri-lo.
E quando ele lhe falar, acredite nele,
embora sua voz possa estraçalhar seus sonhos
como o vento norte, que arruína os jardins.

Pois, da mesma forma que o amor o coroa,
ele o crucificará.
Da mesma forma que ele o faz crescer
Ele será para você, a sua poda.
Da mesma forma que ele ascende ao seu ponto mais alto e
acaricia seus ramos mais sensíveis que tremulam ao sol,
Ele descerá até suas raízes e
abalará sua firme aderência à terra.

Como espigas de milho, ele o colhe para si.
Ele o debulha e o torna nu.
Ele o peneira para liberta-lo de suas cascas.
Ele o tritura até torna-lo alvo.
Ele o mói até torna-lo flexível;
E então, ele o remete ao seu fogo sagrado,
para que você possa tornar-se um alimento sagrado, no festim sagrado de Deus.

Todas essas coisas o amor lhe fará
de tal forma que você possa conhecer os segredos de seu coração,
e, neste conhecimento, tornar-se um fragmento do coração da vida.

Mas se, por temor, você apenas buscar
a paz do amor e o prazer do amor,
Então é melhor que você cubra
sua nudez e abandone o umbral do amor,
E penetre num mundo sem estações
Onde você se alegrará, mas não com toda a sua alegria,
e chorará, mas não com todas as suas lágrimas.

O amor não concede nada além dele mesmo e
não toma nada, a não ser ele mesmo.
O amor não possui nada e nem pode ser possuído;
Pois, o amor basta ao amor.

Quando você amar, não diga,
“Deus está em meu coração”, mas sim, “Eu estou
no coração de Deus.”
E não pense que você pode dirigir o curso
do amor, pois o amor, se o considerar digno,
dirigirá o seu curso.
O amor não deseja nada a não ser realizar a si mesmo.
Mas se você ama e deseja,
deixe que estes sejam seus desejos:
Fundir-se e ser como um rio que corre
e canta sua melodia à noite.
Conhecer o dor da demasiada delícia.
Ser ferido por sua própria compreensão do amor:
E sangrar, voluntária e alegremente.
Acordar na madrugada com o coração alado
e dar as boas vindas a um novo dia de amor;
Descansar à tardinha e meditar sobre o êxtase do amor;
Voltar para casa à noite, cheio de gratidão;
E então, adormecer
Com uma prece ao amado em seu coração e
uma canção de louvor em seus lábios.
(Khalil Gibran)

h1

Theodor Adorno (1903-1969)

agosto 6, 2009

t_adorno“Pensar não mais significa nada além de checar, a cada momento, se a pessoa pode, na verdade, pensar ou não.”

Há 40 atrás, em 6 de agosto de 1969, morreu o filósofo alemão Theodor Adorno, um dos membros da Escola de Frankfurt. Essa Escola foi fundada por um grupo de intelectuais associados à Universidade de Frankfurt, cuja principal contribuição foi a produção de uma série de estudos teóricos sobre cultura e sociedade. Esses estudos foram inicialmente chamados de “teoria crítica” e mais tarde, passaram a ser considerados uma forma específica de se estudar filosofia, forma esta ensinada e praticada atualmente, em diversas universidades ao redor do mundo.

Ele escreveu alguns volumes sobre temas clássicos da filosofia, como a razão e moralidade. Porém, ele escreveu também sobre temas nada convencionais como a indústria de entretenimento de massas, cunhando para isso um termo que hoje em dia é muito aplicado: a “indústria cultural.” Nessa indústria, os saberes e sentimentos humanos são reduzidos à mercadoria, as pessoas são consideradas como meros consumidores e a cultura passou a ser nada mais que uma forma de manipulação velada que induz as pessoas à aquisição de bens de consumo.

Ele analisou o fenômeno social como um mero subproduto da manipulação daqueles que controlam as mídias. Sejam as ideias filosóficas mais abstratas, ou a razão e o pensamento, ou um filme comercial, ou uma propaganda na TV – na ausência de uma análise crítica mínima – nada disso deve ser considerado como arte, ou cultura, ou humanismo, mas sim, como subproduto de ideias que são impostas aos desavisados, de forma alienante e massificadora.

Ele afirma que, mesmo nas áreas onde as pessoas acreditam ser genuinamente livres, essa dominação é, na verdade, perpetuada – a liberdade lhes é negada e o desenvolvimento de uma consciência crítica, obstruído. Assim, a sociedade de consumo, a cultura e arte que ela produz, estão baseadas nessa negação sistemática de uma liberdade verdadeira.

Adorno discorda dos sociólogos que argumentam que as sociedades capitalistas são complexas e heterogêneas. Ele insiste que a indústria cultural mantém um sistema uniforme, ao qual todos devem se conformar. Ela manipula as pessoas no sentido de despertar certos desejos, necessidades ou crenças que possam ser associadas ao consumo, gerando uma sociedade de autômatos que não pensam por si mesmos: apenas consomem e replicam os mesmos pensamentos e necessidades.

O objetivo dessa indústria é a produção de bens que são consumíveis, lucrativos e, de preferência, descartáveis, garantindo sua própria continuidade. Assim, a forma como a sociedade entende a si mesma e se expressa, dentro dos pressupostos de Adorno, passou a ser o subproduto de um empreendimento industrial global e multibilionário, que visa o lucro, como qualquer outro empreendimento comercial. Essa indústria controla e molda as premissas que definem o que é a vida e quais os objetivos que individualmente devem ser buscados, gerando não só uma uniformidade em termos de pensamento, mas um sofrimento exacerbado em uma grande massa de indivíduos que não têm acesso aos bens de consumo que lhe são impostos. As conseqüências dessa visão são óbvias e são, a todo o momento, visíveis na desagregação presente na estrutura social.

Sua visão não consiste apenas numa simples crítica a modelos políticos, sociais, culturais ou econômicos. Mas principalmente, numa crítica à perda da capacidade humana de consciência. Essa lacuna se expressa na perda de um sentido de eu que se coloca acima do que é veiculado na mídia, numa diminuição da capacidade de perceber uma perspectiva menos imediatista e mais abrangente e na capacidade de aprofundar um pensamento crítico e ponderado. Essa capacidade crítica, atualmente, é fundamental para que as posturas do ser humano frente aos modelos possam ser mais bem avaliadas, e que suas conseqüências sejam adequadamente consideradas para cada indivíduo e para a sociedade como um todo.